Publicado em Deixe um comentário

A MAIOR TRAGÉDIA DE NOSSAS VIDAS. Lindo texto de Carpinejar sobre tragédia de Santa Maria.

É impossível fica indiferente à esta tragédia em Sta Maria! Compartilho um texto do Fabrício Carpinejar, que fala muito bem da dor de todos nós!
 “Morri em Santa Maria hoje. Quem não morreu? Morri na Rua dos Andradas, 1925. Numa ladeira encrespada de fumaça. A fumaça nunca foi tão negra no Rio Grande do Sul. Nunca uma nuvem foi tão nefasta. Nem as tempestades mais mórbidas e elétricas desejam sua companhia. Seguirá sozinha, avulsa, página arrancada de um mapa.
A fumaça corrompeu o céu para sempre. O azul é cinza, anoitecemos em 27 de janeiro de 2013. As chamas se acalmaram às 5h30, mas a morte nunca mais será controlada. Morri porque tenho uma filha adolescente que demora a voltar para casa.
Morri porque já entrei em uma boate pensando como sairia dali em caso de incêndio. Morri porque prefiro ficar perto do palco para ouvir melhor a banda. Morri porque já confundi a porta de banheiro com a de emergência. Morri porque jamais o fogo pede desculpas quando passa.
Morri porque já fui de algum jeito todos que morreram. Morri sufocado de tanta morte; como acordar de novo? O prédio não aterrisou da manhã, como um avião desgovernado na pista. A saída era uma só e o medo vinha de todos os lados.
Os adolescentes não vão acordar na hora do almoço. Não vão se lembrar de nada. Ou entender como se distanciaram de repente do futuro. Mais de duzentos e cinquenta jovens sem o último beijo da mãe, do pai, dos irmãos.
Os telefones ainda tocam no peito das vítimas estendidas no Ginásio Municipal. As famílias ainda procuram suas crianças. As crianças universitárias estão eternamente no silencioso. Ninguém tem coragem de atender e avisar o que aconteceu.
As palavras perderam o sentido.”

Fabrício Carpinejar (Fabrício Carpi Nejar, poeta e jornalista, mestre em Literatura Brasileira pela UFRGS. Nasceu em Caxias do Sul (RS) aos 23 de outubro de 1972. Site: http://www.carpinejar.com.br/
http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/direto-ao-ponto/santa-maria-27-de-janeiro-de-2013-o-poeta-fabricio-carpinejar-falou-por-nos/  carpinejar

Publicado em Deixe um comentário

Muitas novidades Byoline em 2013

A Byoline mudou! Iniciando uma nova fase, novo nome , novo site, novo blog! E nosso grupo de consultores associados ampliando segmentos de atuação, como Auditorias da Qualidade, implementação de Programas da Qualidade e Acreditação, além dos Projetos Corporativos de Educação Continuada e Gestão do Conhecimento.
Além disso, novas Webconferencias temáticas, Cursos on line e presenciais
Ufa! São muitas novidades!
Fiquem plugados em nosso Blog e fanpage!
E um ano realmente NOVO para todos nós!

20130127-052616.jpg

Publicado em Deixe um comentário

A massacrante felicidade dos outros, por Martha Medeiros.

marthamedeiros“Há no ar um certo queixume sem razões muito claras. Converso com mulheres que estão entre os 40 e 60 anos, todas com profissão, marido, filhos, saúde, e, ainda assim, elas trazem dentro delas um   não-sei-o-quê perturbador, algo que as incomoda, mesmo estando tudo bem.
De onde vem isso?
Anos atrás, a cantora Marina Lima compôs com o seu irmão, o poeta Antonio Cícero, uma música que dizia: ‘Eu espero/ acontecimentos/ só que quando anoitecem/ é festa no outro apartamento’.
Passei minha adolescência com a mesma sensação de que algo muito animado estava acontecendo em algum lugar para o qual eu não tinha convite.
É uma das características da juventude: considerar-se deslocado e impedido de ser feliz como os outros são – ou aparentam ser. Só que chega uma hora em que é preciso deixar de ficar tão ligada na grama do vizinho.
… As festas em outros apartamentos são fruto da nossa imaginação, que é infectada por falsos holofotes, falsos sorrisos e falsas notícias. Os notáveis alardeiam muito suas vitórias, mas falam pouco das suas angústias, revelam pouco suas aflições, não dão bandeira das suas fraquezas… Então, fica parecendo que todos estão comemorando grandes paixões e fortunas, quando, na verdade, a festa lá fora não está tão animada assim!
Ao amadurecer, descobrimos que a grama do vizinho não é mais verde coisíssima nenhuma. Estamos todos no mesmo barco, com motivos pra dançar pela sala e também motivos pra se refugiar no escuro, alternadamente. Só que os motivos pra se refugiar no escuro raramente são divulgados.
Pra consumo externo, todos são belos, sexy, lúcidos, íntegros, ricos, sedutores, enfim, campeões em tudo! Fernando Pessoa também já se sentiu abafado pela perfeição alheia – e olha que na época em que ele escreveu estes versos não havia esta overdose de revistas que há hoje, vendendo um mundo de faz-de-conta: “Nesta era de exaltação de celebridades – reais e inventadas – fica difícil mesmo achar que a vida da gente tem graça.” Mas tem.
Paz interior, amigos leais, nossas músicas, livros, fantasias, desilusões e recomeços, tudo isso vale ser incluído na nossa biografia.
Ou será que é tão divertido passar dois dias na Ilha de Caras fotografando junto a todos os produtos dos patrocinadores? Compensa passar a vida comendo alface para ter o corpo que a profissão de modelo exige? Será tão gratificante ter um paparazzo na sua cola cada vez que você sai de casa? Estarão mesmo todos realizando um milhão de coisas interessantes enquanto só você está sentada no sofá pintando as unhas do pé?
Favor não confundir uma vida sensacional com uma vida sensacionalista. As melhores festas acontecem dentro do nosso próprio apartamento…”
Martha Medeiros nasceu no dia 20 de agosto de 1961. É jornalista, escritora, aforista e poetisa brasileira. Wikipedia.
Saiba mais: http://pensador.uol.com.br/autor/martha_medeiros/biografia/

 

 

Publicado em Deixe um comentário

Oh, dúvida! Oh, céus! Este painel de hemácias me deixa louco (a)!

Estamos começando um novo curso de Bases Imuno-hematológicas e tenho certeza que mais da metade (ou a maioria) dos “aprendizes” deverá vir com a pergunta mais “quente e cabeluda” de todos os cursos e chats do qual participo: “Como interpretar o painel de hemácias”? (parece até um vilão, mais malvado que o Coringa do batman!)
Bem, como eu sempre digo, se isto fosse simples assim, eu não existiria, rs!
Péssima notícia: Não há “uma fórmula mágica”. Sim, há conceitos gerais e fundamentos do teste que devem ser respeitados. Isto cabe em algumas (várias) páginas de um livro. E estes fundamentos serão contemplados neste nosso curso, fique calmo (a). Mas não é só isso!
É preciso “entender”a fundo como funciona a lógica do processo de interpretação do diagrama dos painéis- como eles foram produzidos, como estas hemácias são selecionadas, o que quer “dizer tudo isto”? Eu posso te jurar que muitas coisas que voce precisa saber estão escritas no famigerado “diagrama do painel”!
É preciso ser persistente, é preciso conhecer o mínimo das características dos antígenos e anticorpos dos vários sistemas de grupos sanguineos eritrocitários (ok, hoje já foram descritos até o momento 33 sistemas, e isto é muita coisa para sua cabeça…mas pelo menos, devemos conhecer os mais importantes! Isto também será abordado em nosso curso.)
Mas além de tudo isto, é preciso ser corajoso! Para enfrentar o “mundo maravilhoso dos anticorpos imuno-hematoloucos” é preciso coragem. Mas também não podemos desbravar esta selva sem estarmos “armados”! (pelo menos, de conhecimento). Sim, a (boa?) notícia é: precisamos estudar, precisamos nos interessar, precisamos QUERER SABER MAIS E NÃO DESISTIR na primeira dificuldade.
E quem poderá nos salvar???? Bem, eu tive a sorte de ter tido mestras maravilhosas, das quais ainda hoje me orgulho e tenho o maior respeito, mas nem todos tem a mesma felicidade ou oportunidade.
Então, o que devemos fazer, oh Mestre dos Magos??? Bem, temos que tentar juntos criar uma forma mais fácil (ou menos difícil…) de tentar decifrar este enigma. JUNTOS.
Sim, porque várias cabeças pensam melhor que uma só. É preciso dividir o conhecimento entre seus pares para multiplicar os resultados- sim, painel de hemácias é uma tarefa para ser feita a muitas mãos (e cérebros!)
Por isso, fica a dica: não há fórmula. É preciso estudar, saber, conhecer.
Ah, sim….eu já ia até me esquecendo: algumas vezes será preciso lançar mão de alguns métodos e técnicas acessórias (nada mirabolante ou caro, acredite!). Sim, há casos complexos que podem demorar algumas horas (ou dias…) para serem resolvidos (e muitas vezes parecerá que nenhum super-herói poderá nos salvar!) Mas é preciso ter força e fé!
godTENHO DITO. Aguardem cenas dos próximos capítulos.

Publicado em Deixe um comentário

Descoberto o gene que confere a característica de “liderança”.

Um gene que pode definir a criação de líderes natos foi descoberto por cientistas da University College, no Reino Unido. O “gene da liderança”, identificado com o código rs4950, é uma sequência congênita de DNA associado com pessoas que estão no comando, de acordo com os pesquisadores http://buff.ly/10BArbv

destaque

Publicado em Deixe um comentário

Curso Bases Imuno-hematológicas: chegou a hora!

ESTÁ NA HORA! Vamos começar a investir na sua carreira? O ano já começou! CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL: BASES IMUNO-HEMATOLÓGICAS. (Carga horária: 40 horas). INÍCIO EM 21/01/2012.
Curso que aborda todos os principais temas relacionados à Imuno-hematologia Eritrocitária, de forma rápida e eficaz, visando a preparação para concursos, provas de especialista e aperfeiçoamento profissional.
Público-alvo: Profissionais da área de saúde- técnicos, graduandos, graduados e
pós-graduados em cursos de saúde e/ou que tenham conhecimentos/ vivência nas rotinas laboratoriais imuno-hematológicas em Serviços Diagnósticos e de Hemoterapia; profissionais de demais áreas que desejem iniciar-se neste segmento.
Temas: Fundamentos da imunologia; Reação antígeno X anticorpo;Reação de aglutinação e seus modificadores;Sistema ABO e os fundamentos da rotina laboratorial; Sistema Rh e os fundamentos da rotina laboratorial;Teste da Antiglobulina Humana e a pesquisa e identificação de anticorpos irregulares;Interpretando o painel de hemácias;Principais sistemas de grupos sanguineos: Overview; Anemias Imuno-hemolíticas: DHPN e AHAI- abordagem laboratorial;Testes da rotina pré-transfusional.
O curso é composto por 10 módulos (8 semanas) e voce escolhe a melhor forma, dia e hora de estudar.  Encontros presenciais via Webconferencia (ON LINE) com tutores especialistas serão agendados com antecedencia, em dia e hora a combinar-se com o grupo. (Estas conferencias também ficarão gravadas e disponiveis durante o periodo de acesso ao curso).
Certificado de Participação: o aluno deverá cumprir 80% das tarefas obrigatórias propostas e receberá um Certificado de Conclusão (digital).
Os seguidores de nosso BLOG ou página Facebook concorrerão a  vagas na primeira Webconferencia realizada neste curso e ao sorteio de um livro “Fundamentos da Imuno-hematologia Eritrocitária”(GIRELLO, AL. KUHN, TIB. 3a edição, Ed. Senac, 2011). INSCREVA-SE no link de nosso site: CONTATO, deixando seus dados cadastrais e receberá um e-mail com login e senha para a sala de conferencia.
Peça o Plano do Curso, com mais informações sobre o curso, a plataforma instrucional, valor do investimento e formas de pagamento, enviando mensagem para o e-mail contato@byoline.com.br (deixe seu nome e e-mail de contato)
Inscrições no curso: www.byoline.com.br/moodleagXac
Publicado em Deixe um comentário

Monitorização Laboratorial feto-materna: evitando a DHPN

Atendendo a inúmeros pedidos, vou tecer alguns comentários sobre o procedimento de titulação de anticorpos detectados no Teste de Antiglobulina Humana Indireto (Coombs Indireto ou TAI) de gestantes. É apenas um resumo de minhas opiniões, baseada em protocolos técnicos preconizados em manuais de referencia para os testes laboratoriais imuno-hematológicos (por isso, não discutiremos outros aspectos laboratoriais ou clínicos), mas aguardo outras colaborações, comentários, críticas e especialmente, dúvidas. Então vamos lá:
A titulação é a diluição seriada do soro que apresentou TAI positivo. Após as diluições, a forma de proceder a visualização das aglutinações a fim de determinar-se o título deve ser em fase de AGH (Coombs). Até aqui, nenhuma novidade, certo? Mas tenho algumas considerações a fazer:
»A titulação isolada não determina o significado clinico dos anticorpos na gestante! Ou seja, para que isto realmente tenha valor diagnóstico e prognóstico para o médico é necessário, antes, determinar a especificidade do anticorpo e sua classe, lembrando:
1) Que a barreira placentária é permeável apenas para IgG’s; já para as IgM’s não; e gestantes podem apresentar IgM’s naturais (ex. anti-Lea e/ou –Leb) , portanto sem significado clínico.
2) Mesmo sendo este anticorpo classe IgG, a capacidade hemolítica destes anticorpos varia de acordo com a especificidade. O que também tem correlação com a sua subclasse, ou seja, que determinará a sua capacidade em ativar complemento. Até o momento, parece haver apenas correlação de título com gravidade de hemólise apenas para o anti-D, o que parece estar consensado em vários artigos e publicações, determinado em título 16 o título crítico.
3) Ou seja, se a especificidade do anticorpo for outra, é necessário proceder-se acompanhamento desta gestante de qualquer forma (ou seja, com qualquer título), para monitorizar suposta hemólise de hemácias fetais e evitar-se sofrimento do feto. Ex: anti-K (Kell) é um clássico exemplo onde título é irrelevante, pois é um anticorpo, que em qualquer título, provoca grave anemia no feto por supressão da eritropoese.
4) Bem, então o que se recomenda é que, no mínimo, o anticorpo seja inicialmente identificado pelo painel de hemácias, e posteriormente verificada sua classe (com soro de antiglobulina humana, ou Coombs, anti-IgG. Daí em diante, procede-se (ou não) a titulação.
5) Para a titulação, ou seja, diluição seriada do soro, também temos que observar atentamente as minúcias técnicas, especialmente em relação à transferencia do soro diluido para o tubo subsequente, para que não hajam “interferentes técnicos” ocasionando falsos resultados. Somente para falarmos deste procedimento, teremos que escrever um novo post!
6) E qual será a hemácia usada para a titulação do anticorpo?  Sugere-se aquela do kit de detecção de anticorpos que contenha o antígeno em questão em “dose dupla” (de indivíduos homozigotos para o gene). Na impossibilidade de se determinar a especificidade deste anticorpo, geralmente se utiliza a hemácia “que apresentou o grau de aglutinação mais forte na pesquisa de anticorpos”, o que não garante que estejamos titulando corretamente um anticorpo, especialmente nos casos de haver associações de mais de um anticorpo
7) E por último: se esta gestante for proceder os acompanhamentos pelos meses subsequentes, sugere-se congelar o soro restante desta titulação inicial para, da próxima vez, proceder-se a titulação em paralelo, ou seja,  titular-se o soro congelado (usado na titulação anterior) e o soro recém-coletado EM PARALELO. Assim, será possível avaliar-se uma real variação do título, já que utilizou-se a mesma hemácia e o mesmo procedimento técnico.
Voce deve estar pensando: “E agora? O que eu faço?” Bem, eu não vou te enganar que muitos desconhecem estes detalhes. Isto porque geralmente todos partem do princípio que só existe o anticorpo anti-D em soros de gestantes, e se esquecem que é possivel possuir-se anticorpos de outras especificidades (já que hoje já são conhecidos mais de 300 antígenos de grupos sanguíneos, além da possibilidade de termos incompatibilidade materno fetal também devida a anticorpos ABO!), e que estes podem sim causar DHPN! Por isso, pensem bem antes de implementar a técnica de titulação de anticorpos em gestantes em seu serviço e, especialmente, em valorizar demais estes resultados como o único referencial que indique a necessidade do médico em monitorização desta gravidez. Muitos bebes nascem com Doença Hemolítica Perinatal, e alguns inclusive vão a óbito, mas poderíamos ter evitado se tivessemos seguido os protocolos adequados!Ver mais
bebe2
Publicado em Deixe um comentário

Comunidade Byoline

Olá a todos e sejam bem-vindos ao nosso novo espaço de interatividade da Byoline.
Aqui poderemos construir uma grande Comunidade de Práticas e Aprendizagem, discutindo assuntos técnicos, ou apenas “filosofando”!
Entrem e fiquem a vontade!